"Sou Fernanda, mãe de primeira viagem, 34 anos, apaixonada por esta nova fase da vida. Gostaria de escrever um pouco sobre o dia que minha pequena chegou ao mundo.
Desde que soube que estava grávida queria que o parto fosse normal (mesmo sem incentivo das amigas e da minha mãe), pois nunca gostei da ideia da cirurgia devido à recuperação e também gostaria que ela escolhesse quando nasceria, mas sem pressão, se algo não saísse como desejado saberia entender a Cesárea.

Li muito a respeito do parto humanizado, falei com o Dr. João, não gostava de ver vídeos e pouco conversei com pessoas que haviam tido parto normal. Não tive oportunidade de fazer fisioterapia pélvica, mas nunca deixei de fazer caminhadas e pratiquei muito alongamento que aprendi nas aulas de yoga. Graças à Deus a gestação foi muito tranquila e pude realizar meu desejo.

A Leticia nasceu no dia 21/10/2016. Estávamos de 38 semanas e 2 dias e nem imaginava que ela já estava pra chegar. Era uma sexta-feira, acordei cedo para o meu último dia de trabalho, não sentia dor nenhuma, mas observei um leve sangramento. Por opção do meu marido fomos à Femina para saber se estava tudo bem. Chegamos lá perto das 8 da manhã, eu estava muito tranquila pois continuava sem sentir nada. O médico que me atendeu disse que faria o toque e para nossa surpresa eu já estava com 5 centímetros de dilatação,  😲 e decidiu me internar. Me pediram para aguardar numa sala e foi aí que percebi o que já estava por acontecer. 
Liguei para as pessoas mais íntimas, avisei a empresa e pedi à minha mãe que separasse as malas. Às 9 horas me colocaram na sala de parto humanizado, lá estava a enfermeira Juliana (um anjo) que me apresentou tudo, nem parecia uma sala de parto, ela ligou o som (com músicas de relaxamento) e acendeu umas luzes azuis que deixavam a sala mais aconchegante. Fiz uma oração com meu marido para que o momento fosse abençoado,  assim como toda a gestação. 
Logo chegou a médica que foi muito querida, colocaram um aparelho preso na minha barriga para medir os nossos batimentos e a intensidade das contrações, ela fez o toque (que por sinal é algo meio desagradável) e me pediu para andar e fazer exercícios na bola de pilates para que ajudasse na dilatação. Foi o que fiz, continuava tranquila e conversava com os funcionários do hospital que às vezes entravam na sala. 
Por volta das 10h30, já estava com 6 centímetros de dilatação e a médica decidiu estourar minha bolsa para acelerar o processo (Todos achavam que logo ela nasceria). Senti um leve incômodo,  mas foi tranquilo. Neste momento meu marido (que havia ido buscar minha mãe) chegou e pôde ficar ali comigo, não tinha muito o que fazer,  mas ficava conversando e tirando fotos. E eu na bola de pilates... saía muita água e um pouco de sangue, comecei a sentir um leve desconforto. 
 Ao meio dia recebi o almoço, comi um pouco, não pela comida, mas porque tinha medo de comer e isso interferir na hora do parto (mesmo a enfermeira falando que eu tinha que me alimentar bem). Às 13:00 houve a troca da médica de plantão, eu ainda estava sem muita dor e com apenas 7 de dilatação. O plantonista da tarde fez o toque e pediu para continuar me mexendo.... por volta das 14:00 comecei a sentir as famosas contrações, era uma dor suportável que aliviava quando meu marido massageava minhas costas.
Elas ainda eram muito espaçadas, por isso a enfermeira me pediu para caminhar e fazer mais agachamentos. Foi o que fiz.... acredito que já eram 15 horas quando elas começaram a ser mais intensas e frequentes, foi aí que comecei a perceber o que estava por vir....não conseguia ficar deitada, me sentia melhor em pé e a cada contração ficava de cócoras (para mim era a melhor forma de fazer força),  pedi para ir ao chuveiro, pois disseram que ajudava a aliviar a dor e realmente funcionou.
Perto das 17 horas o médico entrou na sala e fez o toque, como ainda não havia dilatação suficiente, pois as contrações não tinham a intensidade necessária, me pediram para aplicar a ocitocina (aplicada como se fosse um soro, pingando bem lentamente) , aceitei e na primeira gota já senti a diferença. As dores ficaram mais frequentes e eu só conseguia ficar de joelhos no pé da maca  ou de quatro no chão para conseguir suportar e fazer a força (acredito que cada mulher saiba naturalmente qual a melhor posição para aguentar esses momentos).
Fui novamente para o chuveiro, continuava tentando manter a respiração tranquila e profunda, perto das 19 horas o médico fez o toque novamente, eu já estava com os 10 centímetros de dilatação e sentindo uma dor que me parecia insuportável, não resisti, num ato de desespero, pedi ao médico que tirasse minha filha de qualquer forma, fizesse uma Cesárea, ou qualquer coisa para aliviar a dor.
Confesso que nesse momento fiquei chateada comigo, pois já havia sentido tanta dor, chegado à dilatação necessária  e sucumbiria ali, tão perto da minha bebê chegar. Nesse momento chegou o médico do terceiro turno (já eram 19 horas), pedi a ele ao menos uma anestesia e ouvi que não teria mais como fazer isso naquele momento. Eu estava extremamente cansada, as contrações já eram mais espaçadas novamente e parecia que eu não conseguiria fazer mais nenhuma força.
Falei isso ao médico e ele disse que eu conseguiria sim, chamou a enfermeira da noite ( que também foi muito especial), pediu o banquinho de fazer o parto e disse que ele não sairia dali até que a bebê nascesse, nesse momento senti um misto de alívio, alegria e mais vontade de voltar a fazer força, pois até então quem ficava comigo (além do meu marido ) era a enfermeira, os médicos só passavam para fazer os toques.
Senti mais algumas contrações muito fortes, e da mesma forma que passei a tarde fazendo, ao senti-las, respirava profundamente, ficava de quatro ou de cócoras e sem gritar procurava me concentrar na minha bebê. Ahhh.. esqueci de dizer que a cada contração me perguntavam se vinha também uma vontade de fazer cocô (é bem esta a sensação).
A esta altura eu já sentia essa vontade sim... perto das 20 horas  o Dr. pediu que eu sentasse no banquinho, meu marido ficou sentado atrás de mim e ele na minha frente. Na porta da sala estavam a enfermeira e a pediatra, parecia que elas estavam me ajudando com os olhos. De repente senti a contração vindo, avisei o médico, segurei na mão dele, apoiei meus pés nos sapatos dele e fiz três forças muito fortes, senti ânsia de vômito (dizem ser normal), uma queimação na vagina, ouvi o médico  dizer que pôde vê-la e então olhou nos meus olhos e disse que era aquilo que ele precisava. 
Naquele momento eu ganhei energia e entendi como era a famosa força que eu tinha que fazer (estar sentada no banquinho ajudou muito). Veio mais uma contração, a queimação aumentou, e o Dr disse que mais uma e minha bebê estaria com a gente .
Senti vontade de rir e chorar, me concentrei, respirei e veio a terceira contração depois que havia me sentado. Avisei que estava vindo, meu marido começou a chamar nossa filha, o médico  disse que ela estava chegando e eu fiz a maior força da minha vida.... senti mais uma queimação e às 20h14 ela chegou!  (Linda! Com 2,820 kg e 49 cm). Não sentia mais dor nenhuma! Quando percebi ela já estava nos meus braços, linda, pequena, cansada como eu, nos olhamos uma a outra e nos agradecemos (nunca vou esquecer desse momento),  e ela deu um gritinho leve.
Nesse momento chorei, a coloquei bem perto do meu rosto e fiquei ali falando com ela e a cheirando (tenho até hoje o perfume dela na minha memória). A pediatra a tirou de mim e junto com meu marido foram examiná-la.  Voltei à realidade (pois parecia que não estava no hospital, com ela no meu braço parecia que eu estava flutuando). O médico e a enfermeira me levantaram para que eu deitasse na maca, percebi que estava bem tonta, quando me acomodei tiraram a placenta com muito cuidado e senti um leve incômodo e um enorme vazio na minha barriga. 
Em seguida o médico começou a passar um anestésico  para dar os pontos na laceração (não fizeram o pique, a laceração foi feita naturalmente na passagem da bebê).  Estava tudo ótimo comigo e com a Letícia! Fomos para o quarto e quando minha princesa chegou, percebi que ali estava começando a aprender a viver novamente. Que seria um recomeço , agora com a maior alegria proporcionada por Deus em meus braços! Saímos do hospital no domingo de manhã,  após fazermos o exame de icterícia. Estávamos super bem, o único incômodo que eu sentia era dos pontos, que "sumiram" em uma semana. 
Consegui escrever este relato apenas agora, de madrugada, com a Letícia dormindo em meus braços após mamar e na véspera de completar dois meses deste dia,  que foi o primeiro da nossa nova vida! Estamos nos conhecendo e aprendendo juntas a fazer a vida ainda melhor!







A Vila do Sossego do Zé não é mais sossegada. Nessa canção o Zé Ramalho  canta  que o treponema dele não era pálido e nem viscoso. Pois é, hoje ele está ficando vermelho, rojo. Está ficando russo...

A doença retornou, tem dado as caras, aparecendo nas mães e  em seus bebês, a chamada sífilis congênita (que pode provocar várias alterações nada desejáveis no bebê, afetando o sangue, ossos, o sistema nervoso, entre outros).
Há mais de cinco anos eu não tinha visto nenhum caso positivo de sífilis congênita. Mas, há 120 dias...

Foi assim...

Era um sábado  pela manhã, visita de rotina nas pacientes internadas, um início de plantão sossegado. Estava pensando só em dar alta para alguma paciente de pós-parto e liberar leito para as vindouras. 




Mas naquele dia, há uns quatro meses, uma surpresa desagradável me aguardava. A sífilis congênita materializada naquela mulher e bebê. Levei um choque porque significou dizer que a doença conseguiu viver e está reagindo, ganhando força. Sorrateiramente ela sobreviveu, infelizmente.

Resistiu bravamente e agora... Começa a mostrar sua cara,  sua face cruel e maligna. Nesse dia, surpresos, o colega do plantão e eu percebemos a ponta do iceberg, que estão voltando os casos de sífilis, há muito tempo não via um caso de exame de VDRL positivo. E nesse dia, para nossa infeliz coincidência, foram dois casos positivos em um único plantão, sendo um no pré-parto e outro na enfermaria.

Poderiam  ser apenas dois casos isolados, mas não eram.

Em seguida  a Febrasgo (Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia) emitiu um boletim de alerta para o recrudescimento da sífilis. Em contato com uma colega de um laboratório, vieram novos dados. Estão realmente  ocorrendo  vários casos de VDRL positivo. 



Panorama atual no Brasil - A situação atual da sífilis no Brasil,  segundo o boletim epidemiológico de 2016, é que de  2011 a junho de 2016 houve um aumento considerável no numero de casos de sífilis em gestantes em todo o país (129.757 casos), atribuídos a uma melhora no sistema de vigilância epidemiológica e a uma possível ampliação no acesso ao diagnóstico. 

São mães jovens, 51,6% das gestantes com sífilis eram da faixa etária de 20 a 29 anos; da raça/cor parda,  (46,7%) conforme registro na série histórica de 2005 a 2016. Mulheres que estudaram de quinta a oitava série incompleta (20,9%),  conforme declararam nos registros de 2007 a 2016.

Houve ainda um progressivo aumento na taxa de incidência de sífilis congênita: em 2006, a taxa era de 2,0 casos/mil nascidos vivos; e em 2015 foram diagnosticados 18.938 casos de sífilis congênita (98,1%) em neonatos, sendo 96,4% na primeira semana de vida, fazendo com que a proporção subisse para 6,5 casos/mil nascidos vivos.


Com esse panorama anunciado, reforço a importância do pré-natal. Em relação ao acesso ao pré-natal, em 2015, 78,4% das mães de crianças com sífilis congênita fizeram pré-natal, enquanto 15,0% não fizeram. Entre aquelas que fizeram o pré-natal, 51,4% tiveram diagnóstico de sífilis durante o pré-natal.

  
Mulheres em idade fértil, redobrem os cuidados em suas relações sexuais, prevenir é o caminho!
É sempre possível proporcionar uma boa experiência de vida, alegria e felicidade na hora do parto. Vou contar porque entendo assim. Recentemente, motivado pela cesariana a ser realizada em uma paciente  desacompanhada naquele momento e ambiente,  já que seus familiares não se julgaram aptos a acompanhá-la, fui motivado à necessidade de tornar a chegada do bebê a mais acolhedora e agradável possível.

 OBS: as fotos deste texto não são da mãe e do bebê desta  cesárea humanizada contada acima, mas da Roseli Xavier e de seu bebê Pedro (que também fez questão de se aninhar em meus braços).

Eu e a equipe  tomamos a decisão de realizar a cesariana humanizada. Procuramos tomar as medidas cabíveis ao caso para  deixar  a paciente mais ativa e participante do seu momento glorioso. Em nossa prática corriqueira muitas vezes passamos por momentos tão magníficos e não dimensionamos a grandeza e a importância de cada minuto, cada contato, cada emoção.

Vivenciar recentemente a visão sistêmica me fez mais sensível a esses momentos, onde valorizo mais e compartilho cada instante significativo no meu cotidiano. O resultado de ter propiciado aquela mãe vivenciar uma emoção  intensa com seu bebê foi mágico e toda a equipe da sala foi contagiada positivamente.

Pedro sendo amado imensamente pelos pais

A experiência foi tão emocionante que me peguei a dar as boas vindas ao bebê, o tomando em minhas mãos e anunciando a ele a presença dos titios adotivos: o anestesiologista;  o cirurgião auxiliar;  a pediatra, os auxiliares, enfim... toda  equipe presente no nascimento,  tornando  o  momento mais humano, com certeza. A chegada de um novo Ser ao mundo é única e como tal, precisa ser celebrada.

O carinho toca a alma

Foi a partir dessa vivência, extremamente emocionante,  minha decisão em  compartilhar essa forma de nascimento, que terei grande motivação em fazer, sempre que possível.

Existe a cesariana humanizada?

A cesariana como prática humanizada existe sim. Cada vez que o parto normal seja impossibilitado pelas mais diversas contra indicações ou complicações do parto vaginal ela pode e deve sempre que possível ser praticada. Existem algumas indicações básicas para que a cesárea aconteça, dentre elas podemos citar como, por exemplo, mulheres que já fizeram duas cesáreas anteriormente e que tem maiores riscos de parto normal, já que as contrações aumentam o risco de ruptura do útero.

Outra situação é quando o bebê não está com a cabeça para baixo, em apresentação não cefálica, sentadinho (apresentação pélvica). E durante o acompanhamento do trabalho de parto o registro deve ser feito no partograma, um tipo de gráfico que controla se as contrações, dilatação, batimentos cardíacos fetais, entre outros parâmetros,  estão adequados a cada hora ou meia hora, surgindo critérios para indicação de cesárea nestes casos, quando o trabalho de parto falhar. Por isso os ginecologistas precisam ficar atentos ao momento em que o procedimento deve ser feito.  

Diferentemente de uma cesárea normal, a mãe passa a ser mais valorizada e participante do momento do nascimento. O obstetra deve buscar as práticas compatíveis com o caso individualizado, aproximando o máximo possível do conceito do parto normal, visando proporcionar o conforto e a segurança da mãe e de seu feto, a participação mais ativa e na medida do possível o respeito à sua vontade e da família. O ambiente para o parto humanizado deve ser de total conforto.

A imagem que fica eternizada na mente e coração de toda mãe

Quais seriam as práticas consideradas humanizadas na cesariana?

Algumas medidas são recomendáveis para que se possibilite a concretização desse ambiente confortável e seguro  para o nascimento, dentre elas citamos os seguintes cuidados:

- Evitar o uso excessivo do ar condicionado. Segundo a pediatra Debora Dal Ponte, a recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) a temperatura ambiente deve ficar no mínimo em 26 graus célsius;

- Diminuição da intensidade da luz do foco cirúrgico;

- Adequação do som ambiente, diminuindo os ruídos e até mesmo a colocação de um som ambiente compatível com o momento;

- O pai ou acompanhante escolhido pela mãe esteja presente na hora do nascimento. É recomendável e importante a restrição de acompanhantes  no ambiente cirúrgico para a diminuição dos riscos de infecção no pós-operatório;

- O corte costuma ser do mesmo diâmetro de uma dilatação vaginal (aproximadamente 10 centímetros);

- O médico pode ir narrando para a mãe tudo que está acontecendo, descrevendo os procedimentos que estão sendo realizados e anunciando o momento tão esperado;

- Os campos cirúrgicos podem ser abaixados para que a mãe veja seu bebê nascendo;

- A retirada do bebê é realizada de forma mais lenta;

- O corte do cordão umbilical não é feito de imediato, aguardando a diminuição ou o cessar dos batimentos do cordão;

- Caso o bebê esteja em boas condições, após isso, pode ir direto para o colo da mãe e começar a mamar. A principal vantagem desse tipo de parto é o estímulo para a amamentação. O ideal é que seja  na primeira hora, pois quanto mais cedo tiver início, maiores são as chances de dar certo;

- Retardo na separação dos dois, intensificando esse primeiro contato entre a mãe e seu bebê;

- Os primeiros cuidados são feitos ali mesmo, ao lado da mãe, enquanto a equipe termina o procedimento.

Referências:

1- Febrasgo - http://www.febrasgo.org.br/site/?p=8637 acessado 20/11/2016 – 12:00.

2- Raul Briquet; Antonio Guariento. Obstetrícia Normal. Barueri, SP: Ed. Manole, 2011.
 O Dr. João Félix participou de um módulo sobre Constelações Sistêmicas, exatamente o que versava sobre saúde. Se encantou pela temática, pelos mestres e colegas. Vai levar esse "novo" modo de enxergar doenças e pessoas para seu cotidiano profissional. Leia o depoimento humano e sensível do ginecologista obstetra, acompanhado de fotos que demonstram tudo.


 “Sobrevivi. Fui lançado de paraquedas em um mar de extrema profundidade, sem escafandro. Mergulhei  nas profundezas da natureza humana. Foram quatro dias imerso na natureza humana, em um nível de profundidade que desconhecia. Ouvir cada relato, presenciar cada constelação me abriu os olhos para a percepção do universo que cada um de nós representamos. A percepção de nós mesmos e dos outros lindamente conduzida pela Gianeh Borges.

 


Emergi com visão renovada, sensibilidade exacerbada para o lado mais belo do ser humano. “Todos nós somos bons, todos temos algo de bom em nosso interior”, disse o nosso guru Renato Bertate,  um ser iluminado, sensível, perspicaz e profundo.

 
Ficou bem clara a força do Amor do Renato, é impressionante o poder e a força que esse sentimento pode operar no ser humano. Logo na chegada a sensação de acolhimento na primeira dinâmica, simples e profunda, de olhar nos olhos e dizer que estava ali, era a senha para o pouso e desconexão com o mundo lá fora.  A sensação de que estava realmente conectando com um campo, um grupo, as pessoas. Ali começou a sensação de que realmente aquele curso seria diferente.


No primeiro grupo que tomamos parte, no início do curso,  duas bruxinhas já previram: “você não vai ficar só nesse módulo, vai querer participar de todos.” A receptividade e o acolhimento me fizeram sentir em casa para participar, falar, ouvir, opinar, perguntar, é como se fosse membro do grupo há longa data. Uma atitude inusitada minha, que quebrou meu padrão de comportamento de me fechar diante de situações e pessoas desconhecidas e novas, só me abrindo após adquirir confiança. Realmente ali tudo foi diferente.

 
E depois  vieram mais atividades e mais conexões, com  as pessoas, com o lado humano, com o passado, sempre lembrando dos nossos entes queridos que contribuíram para nos trazer até aqui. Mais emoções, reconhecimentos, valorizações, pelas suas vidas, suas lutas e superações. Gratidão por todos eles que de alguma forma estão aqui, presentes em mim. Nesse universo que flutua, nessa  via láctea chamada vida.





Enfim chegou o mestre Renato Bertate, o guru que  conduziria a partir do segundo dia as atividades, com enorme tranquilidade,  paz,  simplicidade,  respeito,  carinho com cada participante, com cada fala, com cada pergunta. Ele é perito na conexão com a fonte de sabedoria e a tradução de cada dúvida para nosso nível de compreensão. 



Traduzindo a beleza do ser humano que habita em cada um de nós, a sensibilidade de perceber cada um escondido na  carcaça e  armaduras que criamos para nos esconder, nos proteger, sobreviver, desnudando o belo que  há em nós.







A força do Amor que opera em cada um, as mais incríveis e inimagináveis reações, atitudes, comportamentos, sacrifícios, compaixão, desmerecimento, expiação.  E o sistêmico externando tudo isso. A doença como manifestação do corpo pedindo socorro para esse conflito, chamando a atenção. 



Para quem tem o olhar,  enxergar, alertar, ajudar, socorrer, o mergulho na alma, no mais profundo nível da natureza humana, a fonte da beleza, do amor, dos sentimentos, carências, sofrimentos, expiações. Assim somos nós, seres humanos!

A certeza é uma: sou muito mais demasiadamente humano após fazer o  módulo saúde e a visão sistêmica do Curso de Extensão do instituto OCA. A mais pura gratidão à idealizadora Gianeh Borges e a todos os novos amigos sistêmicos"!





Com fotos do Pedro Ivo e Creuza Medeiros


Comodidade, praticidade e prestação de serviço de qualidade norteiam a atuação do Dr. João Félix como ginecologista/obstetra. Agora as pacientes grávidas contam com mais dois suportes importantes para acompanhamento do pré natal no próprio consultório: aparelhos de cardiotocografia e de ultrassom. 


"Esses aparelhos trouxeram tranquilidade a mais no acompanhamento das gestações, tanto para mim, e especialmente para as futuras mamães. É investimento na segurança do pré natal", declara o Dr. João.

Saiba mais porque os aparelhos de cardiotocografia e ultrassom são importantes:

 Cardiotocografia

Popularmente conhecida como eletro do coração do bebê, por causa do traçado e do papel, a cardiotocografia (CTG) é um exame de avaliação do bem estar fetal no último trimestre da gestação. Tem como indicações principais a gestação de alto risco, em situações como diabetes gestacional, pré-eclâmpsia, restrição de crescimento fetal, aumento do líquido amniótico, infecções na gestação e demais situações que necessitem  de avaliação mais detalhada do feto.

É mais comumente utilizada no final da gestação, enquanto a mamãe aguarda o nascimento. Muitas vezes acontece de ultrapassar as quarenta semanas de idade gestacional – chamada de gestação pós-data ou pós-termo. Dessa idade em diante,  devido às mudanças fisiológicas da gestação, se faz necessária avaliação mais cuidadosa da vitalidade fetal. 

A placenta mais envelhecida começa a sofrer diminuição de suas áreas de trocas gasosas e dessa forma aumenta o risco de sofrimento fetal. O exame da CTG pela  obtenção do  registro dos batimentos fetais, das contrações do útero e dos movimentos  do feto em um papel apropriado permite verificar se o bebê está bem ou em sofrimento.




Ultrassonografia

A avaliação do feto no final da gestação, pelo exame da ultrassonografia, para ver crescimento, movimentos, placenta, líquido, entre outros, é de suma importância. Ter um aparelho de ultrassom no próprio consultório é prático para  grávidas e obstetra.

Isso permite obter respostas imediatas a respeito da evolução da gestação e do bem estar fetal. Considerando a demanda dos serviços de ultrassonografia e a dificuldade de obtenção de um horário para a realização de uma avaliação mais detalhada nesse final de gestação, em que muitas vezes o exame não pode esperar muito tempo, a disponibilidade de um equipamento à mão para a imediata avaliação do feto é muito tranquilizador. 

Ver no próprio consultório do obstetra, conversando e tirando  dúvidas com o profissional de sua confiança é vital para a futura mãe. Normalmente o final da gestação é um momento de muita ansiedade e preocupação por diversas razões e com esse acesso a exames de qualidade é muito mais tranquilo. 


Com fotos do Pedro Ivo Prado
A  veia  poética do Dr. João Félix anda exacerbada. Veja a última criação dele, uma poesia que fala da transformação na alma da mulher com a chegada do bebê. O  medo  se transforma em puro amor!

                                                         Foto: pinterest

"Quando te vi, me apaixonei!

Seu rostinho sereno.

Sua paz do além.

Vendo sua pureza, me encantei.

Esqueci meus medos

Senti uma força dentro de mim.

Minha vista mudou,

O meu foco agora é diferente.

Você é dono dos meus pensamentos.

Só quero você!

Te tocar,

Sentir sua pulsação

Sentir sua vida

Sua respiração

Seu cheirinho de bebê

Não sou mais eu!

Sou essa figura,  metade eu,  metade você!

Te quero muito.

Sinto medo de te perder.

Passo noites solitárias.

Apaixonada por ti

Fico olhando você dormir

Sua serenidade me acalma

Respiro fundo

Sinto paz para seguir"! (João Félix Dias)

Uma tarde envolvente, sensível, repleta de ricas informações, num clima intimista. Assim foi  a quarta edição do Papo de Obstetra, realizada neste sábado, 23 de julho, no Espaço Magnólia, em Cuiabá. O tema da vez foi “Gravidez: medo de quê”?





A iniciativa pioneira na área da Obstetrícia em Cuiabá foi pensada pelo Dr. João Félix Dias, ginecologista obstetra, formado pela UFMT, com doutorado pela USP. Com mais de 20 anos de atuação no mercado cuiabano, o médico sentiu a necessidade de oferecer algo a mais para as pacientes, indo além do tempo cronometrado do consultório.

O objetivo é fortalecer as grávidas ou futuras mamães para a jornalda biológica e psicológica da maternidade. Como parcerias fixas o Papo de Obstetra conta com o profissionalismo da psicóloga Renata Terruggi e da pediatra Débora Dal Ponte.
A cada dia o Papo de Obstetra se consolida como um momento ímpar para as participantes. Confira o relato do próprio Dr. João Félix sobre a quarta edição do evento:





“Ontem tivemos o prazer de viver uma tarde fantástica na companhia da psicóloga  Renata Terruggi  e da pediatra Débora Dal Ponte.
Foram lembrados tantos... 
Mas ninguém saiu com medo!

Falei sobre os temores  e as possibilidades evolutivas da gestação nos três trimestres.

A pediatra  Débora Dal Ponte usou de toda sua riqueza de vivências em mais de 20 anos de profissão para estimular as mães a falarem entre si de seus medos. Ela também alertou que o medo pode até ser salutar quando funciona como alerta, mas quando passa a ser patológico,  precisa de tratamento.

A psicóloga Renata Terruggi  falou dos aspectos psicológicos envolvidos, do processo evolutivo da gestação, o relacionando ao próprio processo evolutivo humano.  Ela destacou que esse ser social sobreviveu a toda sorte de intempéries, mudanças climáticas e demais dificuldades  adaptativas  graças ao espírito solidário,  comunitário, colaborativo e  agregacionista.

Outro ponto que me envolveu muito foi  a  belíssima reflexão e uma dinâmica da psicóloga Renata conduzindo  todos para o seu "EU", enfatizando a beleza do ser humano com toda a sua perfeição e sua capacidade de autocontrole”.

A sensibilidade de sentir esse ser interior que todos nós temos e de se conhecer é a chave para superação dos medos e inseguranças.

Terminei falando da importância do equilíbrio entre as dualidades segurança e  insegurança. A busca pelo autocontrole, a superação dos medos e assim a  curtição dessa coisa  fantástica que é a geração e a gestação uma nova vida”.






O Papo de Obstetra foi finalizado com a leitura da psicóloga Renata, um dos trechos foi assim: " ...Estou totalmente aberto e receptivo a abundante corrente de prosperidade que o universo oferece.
Opto por aquilo que me beneficia.
Perdoo e libero por completo o passado. Perdoo a todos e libero completamente o passado. Estou disposto a liberar-me e curar-me.
Sou filho amado do universo..."  - Ritual quântico de cura - Fonte: Jorge Soles - Uxmal, Yucatán- México. 14/06/2016































Com toda essa corrente positiva não há medo que vingue. Que venha o próximo Papo de Obstetra!
Saiba todas novidades sobre o Papo de Obstetra pela página Dr. João Félix Dias – Ginecologia Obstetrícia no facebook.









Texto: Creuza Medeiros
Fotos: Pedro Ivo